sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Mosteiro e igreja sobre a Basílica do Santo Sepulcro em risco

Mosteiro e igreja sobre a Basílica do Santo Sepulcro em risco

O mosteiro e a igreja situados sobre a Basílica do Santo Sepulcro, em Jerusalém, estão em risco de desabar devido a infiltrações de água e falta de manutenção, noticiou o jornal diário israelita Haaretz, citado pela agência Ecclesia.
Segundo o Haaretz, durante vários anos diversas comissões técnicas avaliaram as condições da igreja localizada sobre o tecto da basílica e classificaram de urgentes as obras de restauro, sob pena de desmoronar, pondo em perigo turistas e peregrinos.
A propriedade da igreja é reivindicada pela Igreja copta, originária do Egipto, enquanto que a Basílica do Santo Sepulcro - local onde a tradição cristã afirma que Jesus Cristo foi crucificado, sepultado e de onde ressuscitou no domingo de Páscoa - está sob jurisdição da Igreja Católica.

Diário Digital / Lusa© Copyright 2008 Diário Digital

terça-feira, 1 de julho de 2008

Indulgências Plenárias do Ano Paulino

Decreto da Penitenciaria Apostólica sobre as indulgências no Ano Paulino

PAENITENTIARIA APOSTOLICA URBIS ET ORBIS DECRETO

Por ocasião dos dois mil anos do nascimento do Santo Apóstolo Paulo, são concedidas especiais Indulgências.

Na iminência da solenidade litúrgica dos Príncipes dos Apóstolos, o Sumo Pontífice, animado por pastoral solicitude, deseja providenciar tempestivamente os tesouros espirituais a fim de conceder aos fiéis para a própria santificação, de modo que eles possam renovar e reforçar, com fervor ainda maior nesta piedosa e feliz ocasião, propósitos de salvação sobrenatural já a partir das primeiras Vésperas da citada solenidade, principalmente em honra do Apóstolo das Nações, do qual agora se aproximam os dois mil anos do nascimento terreno.

Na verdade o dom das Indulgências, que o Romano Pontífice oferece à Igreja Universal, aplana a estrada para alcançar em sumo grau a purificação interior que, enquanto honra o Beato Paulo Apóstolo, exalta a vida sobrenatural no coração dos fiéis e impele-os docemente a produzir frutos de boas obras.

Portanto, esta Penitenciaria Apostólica, à qual o Santo Padre confiou a tarefa de preparar e redigir o Decreto sobre a concessão e a obtenção das Indulgências que serão válidas por toda a duração do Ano Paulino, com o presente Decreto, emitido em conformidade com a vontade do Augusto Pontífice, benignamente concede as graças que em seguida são enumeradas:

I. A todos os fiéis cristãos deveras arrependidos que, devidamente purificados mediante o Sacramento da Penitência e restaurados pela Sagrada Comunhão, de modo piedoso visitarem em peregrinação a Basílica papal de São Paulo na Via Ostiense e rezarem segundo as intenções do Sumo Pontífice, é concedida e dispensada a Indulgência plenária da pena temporal pelos seus pecados, uma vez obtida por eles a remissão sacramental e o perdão das próprias faltas.

A Indulgência plenária poderá ser obtida pelos fiéis cristãos, quer para eles próprios quer para os defuntos, todas as vezes que forem realizadas as obras ordenadas; permanecendo, todavia, inalterada a norma pela qual se pode obter a Indulgência plenária só uma vez por dia.

A fim de que as orações elevadas durante essas visitas sagradas depois conduzam e solicitem de modo mais intenso os ânimos dos fiéis à veneração da memória de São Paulo, fica estabelecido e disposto quanto segue: os fiéis, além de elevar as próprias súplicas diante do Santíssimo Sacramento, cada um de acordo com a própria piedade, deverão deter-se no altar da Confissão e devotamente recitar o "Pai-Nosso" e o "Credo", acrescentando piedosas invocações em honra da Bem-Aventurada Virgem Maria e de São Paulo. Esta devoção seja sempre estreitamente unida à memória do Príncipe dos Apóstolos São Pedro.

II. Os fiéis cristãos das várias igrejas locais, ao cumprirem as habituais condições (Confissão sacramental, Comunhão eucarística e Oração segundo as intenções do Sumo Pontífice), excluído qualquer apego ao pecado, poderão obter a Indulgência plenária se participarem com devoção na sagrada função ou numa prática realizada publicamente em honra do Apóstolo das Nações: nos dias da solene abertura e encerramento do Ano Paulino, em todos os lugares sagrados; em outros dias determinados pelo Ordinário do lugar, nos locais sagrados intitulados a São Paulo e, para a utilidade dos fiéis, em outros designados pelo mesmo Ordinário.

III. Enfim, os fiéis impedidos por doença ou outra legítima e relevante causa, sempre com o ânimo destacado de todo o pecado e com o propósito de cumprir as habituais condições logo que seja possível, poderão também obter a Indulgência plenária, contanto que se unam espiritualmente a uma celebração jubilar em honra de São Paulo, oferecendo a Deus as suas orações e sofrimentos pela unidade dos Cristãos.

Depois, para que os fiéis possam mais facilmente participar nestes favores celestiais, os sacerdotes aprovados pela autoridade eclesiástica competente para a escuta das confissões se prestem, com ânimo pronto e generoso, a acolhê-las.

O presente Decreto tem validade só durante o Ano Paulino. Não obstante qualquer disposição contrária.

Dado em Roma, na sede da Penitenciaria Apostólica, a 10 de Maio, ano da encarnação do Senhor de 2008, Vigília de Pentecostes.

CARD. JAMES FRANCIS STAFFORD Penitenciário-Mor

GIANFRANCOGIROTTI, O.F.M.Conv.Regente

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Igreja 'mais antiga do mundo' descoberta na Jordania

World's 'oldest Christian church' discovered in Jordan
By Tim Butcher in Jerusalem

Archaeologists claim to have found the world's oldest church dating from shortly after Christ's crucifixion.
If tests confirm that it dates back to between 33 AD to 70 AD, as the archaeologists claim, it would make it the earliest known place of Christian worship by around two hundred years.
According to a report in the Jordan Times newspaper, a very early underground church was found beneath the ancient Saint Georgeous Church, which itself dates back to 230 AD, in Rihab, northern Jordan near the Syrian border.
"We have uncovered what we believe to be the first church in the world, dating from 33 AD to 70 AD," Abdul Qader al-Husan, head of Jordan's Rihab Centre for Archaeological Studies, said.
"We have evidence to believe this church sheltered the early Christians – the 70 disciples of Jesus Christ."
A mosaic found in the church describes these Christians as "the 70 beloved by God and Divine". Mr Husan said they believed to have fled persecution in Jerusalem and founded churches in northern Jordan.
He cited historical sources which suggest they both lived and practised religious rituals in the underground church and only left it after Christianity was embraced by Roman rulers in the fourth century AD.
The claim was treated with some disdain in online chatrooms focusing on biblical knowledge with most contributors suggesting the claim was made up to boost Rihab's tourist status.
There is no clear holder of the title of oldest Christian church with various sites claiming the title without definitive evidence.
In 2005 Israeli archaeologists claimed to have found the earliest Christian church when they uncovered a floor mosaic dating from the first part of the third century.
It was found inside the perimeter fence of a top security prison built by Israel in Megiddo or, to use its ancient name, Armageddon, where, according to the New Testament, the final battle between good and evil will be fought before the return of the Messiah.
The bishop deputy of the Greek Orthodox archdiocese, Archimandrite Nektarious, described the Rihab discovery as an "important milestone for Christians all around the world."
Researchers recovered pottery dating back to between the 3rd and 7th centuries, which they say suggests these first Christians and their followers lived in the area until late Roman rule.
Inside the cave there are several stone seats which are believed to have been for the clergy and a circular shaped area, thought to be the apse.
There is also a deep tunnel which is believed to have led to a water source, the archaeologist added.
Rihab is home to a total of 30 churches and Jesus and the Virgin Mary are believed to have passed through the area, Husan said.

segunda-feira, 14 de abril de 2008

Encontro de Peregrinos - Dia 19

Cabeço da Abelha - Como chegar lá

De Lisboa:
1. seguir para auto estrada do Algarve e sair direcção Alcácer do Sal.
2. Ir ao centro da vila (rotunda da ponte velha) e tomar direcção Torrão.
3. Cerca de 15km depois (estrada em bom estado mas com muita curva!), chega-se ao lugar de Casa Branca, logo seguido pela direita da Herdade das Parchanas.
4. Do lado esquerdo da estrada, mesmo em frente à entrada das Parchanas está um caminho de terra que sobe.
5. Seguir esse caminho, passa-se por uma construção abandonada e logo depois está o portão do Cabeço da Abelha à vossa espera!!!

Oração de S. Tomás de Aquino

Que eu chegue a Ti, Senhor,
por um caminho seguro e recto;
caminho que não se desvie
nem na prosperidade nem na adversidade,
de tal forma que eu te dê graças
nas horas prósperas e nas adversas,
conserve a paciência,
não me deixando exaltar pelas primeiras
nem abater pelas outras.

Que nada me alegre ou entristeça,
excepto o que me conduza a Ti
ou que de Ti me separe.

Que eu não deseje agradar
nem receie desagradar senão a Ti.
Tudo o que passa torne-se desprezível a meus olhos
por tua causa, Senhor,
e tudo o que Te diz respeito me seja caro, mas Tu, meu Deus, mais do que o resto.

Qualquer alegria sem Ti me seja fastidiosa,
e nada eu deseje fora de Ti.
Qualquer trabalho, Senhor,
feito por Ti me seja agradável
e insuportável aquele de que estiveres ausente.

Concede-me a graça
de erguer continuamente o coração a Ti
e que, quando eu caia,
me arrependa.
Torna-me, Senhor meu Deus,
obediente, pobre e casto;
paciente, sem reclamação;
humilde, sem fingimento;
alegre, sem dissipação;
triste, sem abatimento;
reservado, sem rigidez;
activo, sem leviandade;
animado pelo temor, sem desânimo;
sincero, sem duplicidade;
fazendo o bem sem presunção;
corrigindo o próximo sem altivez;
edificando-o com palavras e exemplos, sem falsidade.

Dá-me, Senhor Deus,
um coração vigilante,
que nenhum pensamento curioso
arraste para longe de Ti;
um coração nobre que nenhuma afeição indigna debilite;
um coração recto que nenhuma intenção equívoca desvie;
um coração firme, que nenhuma adversidade abale;
um coração livre, que nenhuma paixão subjugue.

Concede-me, Senhor meu Deus,
uma inteligência que Te conheça,
uma vontade que Te busque,
uma sabedoria que Te encontre,
uma vida que te agrade,
uma perseverança que Te espere com confiança
e uma confiança que Te possua, enfim.
Amén.

(S. Tomás de Aquino)
--------------------------------------------------------------------------
Roy (14-4-2008)

sábado, 29 de março de 2008

Túmulo vazio...

Da cruz e da ressurreição nasce a Igreja, o povo de Deus em caminhada. E seguimos um crucificado, somos a religião do Túmulo vazio. LA

sexta-feira, 21 de março de 2008

AL CRISTO CRUCIFICADO (Sta. Teresa d’Ávila)

No me mueve mi Dios para quererte,
el cielo que me tienes prometido
ni me mueve el infierno tan temido
para dejar por eso de ofenderte.

Tú me mueves Jesús:
muéveme el verte clavado
en esa cruz y escarnecido,
muéveme el ver tu cuerpo tan herido
muévenme tus afrentas y tu muerte,
muéveme al fin tu amor de tal manera,
que aunque no hubiera cielo yo te amara
y aunque no hubiera infierno te temiera.

No me tienes que dar porqué te quiera
pues aunque lo que espero, no esperara
lo mismo que te quiero te quisiera.

-----------------------------
Sexta-feira Santa 2008
Roy

quinta-feira, 20 de março de 2008

«Em silêncio diante d’Ele»

«Em silêncio diante d’Ele»

É o que me proponho fazer neste tempo de Quaresma e de Páscoa: procurá-Lo para ficar diante d’Ele, em silêncio...

A visita ao Santíssimo, o tempo de adoração que podemos fazer, não substitui nem se confunde com a Comunhão de cada Missa. São gestos diferentes, mas ambos necessários.

Na Comunhão é Ele que nos invade, é Ele dentro de nós, tão dentro e tão íntimo que, como a nós, não O vemos. Na Adoração ao Santíssimo, é Ele diante de nós, somos nós diante d’Ele. É o frente-a-frente, o cara-a-cara. Nós vemo-Lo e Ele, sabemos e acreditamos, vê-nos.

Ás vezes parece-me tempo perdido, o que passo, sentado ou ajoelhado diante da Hóstia branca e redonda, fina e frágil, ladeada por velas acesas. Nada acontece. Não me saem as palavras, não me vêm pensamentos edificantes, nada... só silêncio. E mortifico-me com perguntas e dúvidas sobre o sentido daquele meu gesto, daquele meu tempo ali passado. Que umas vezes voa e outras parece não passar.

Vou então aprofundando as verdades da minha fé e as razões da minha vida, e tudo ganha sentido quando relembro a mim próprio que não depende de mim o significado, a verdade e o proveito daquele gesto... mas d’Ele e só d’Ele. A sua Presença ali, viva e verdadeira, não depende do meu estado de alma, nem do meu estado de graça ou de pecado, nem da minha vontade... mas d’Ele e só d’Ele.

Deus está ali e isso basta! E se Deus está ali, eu estou com Ele. E se eu estiver com Ele, que mais posso querer? Que mais posso pedir? Que outra coisa melhor me poderia acontecer, em todo o meu dia?

E se eu estiver junto d’Ele, ainda que mudo e quedo, Ele fará o que eu não sei fazer e Ele dar-me-á o que eu não sei pedir. Eu só tenho que ir ao seu encontro, num acto de vontade própria e livre e oferecer a minha aridez, a minha mudez, o meu silêncio... e isso Lhe basta. Porque o que verdadeiramente Ele quer de mim, não são tanto as coisas boas que pensei, que disse ou que fiz. Ele quer de mim muito mais do que isso: Ele, de mim, quer tudo! Quer a minha vontade, o meu coração, a minha pessoa, a minha vida inteira. Quere-a tal como ela é, com os defeitos e as virtudes que ela tem. Quere-me, a mim!

É por isso que uma Visita ao Santíssimo faz-me crescer como pessoa, porque ainda que nada tenha para Lhe dizer, relembra-me o amor que Ele me tem que O faz estar ali... à minha espera... sempre.

É esta a minha proposta para este tempo de Quaresma. Eu sei que é difícil arranjar tempo para o fazer. Ainda bem, porque assim, tem muito mais sabor... e Ele há-de gostar ainda mais!

Rui Corrêa d’Oliveira
“Tu és Cristo, o Filho de Deus vivo”

Ficamos de imediato com a impressão de uma santidade inefável, de uma dignidade sublime, de uma pureza sem sombra, mas também com a convicção de uma grandeza divina.

Mas se o Divino nos assusta n’Ele pelo poder, pela glória, pela sublimidade soberanas, o humano atrai-nos com irresistíveis encantos. A sua compaixão pelos que sofrem comove-nos; a sua atitude para com os pecadores arrebata-nos, e a admiração apodera-se de nós perante as suas inefáveis condescendências. Ele, que se apresenta aos discípulos e lhes propõe uma doutrina moral de uma rudeza impressionante, enche-se de piedade perante uma alma que se agita impotente nas malhas do pecado, contempla emocionado o menor progresso de uma boa vontade que avança pelo caminho novo, e estremece de gozo ao ver um ténue raio de luz na alma de um homem.

Ele próprio é um homem, um homem que chora, que reza, que se comove, que sente fadiga, que se vê esgotado pela fome, que tem as suas angustias e suas preferências, que se indigna e se comove, se entusiasma e se enche de tristeza. Embora isento do mal moral e do remorso, nada de autenticamente humano é alheio a Ele. No seu trato com os homens notamos uma mistura de doçura e de majestade, de autoridade consciente e abnegação total, que nos revelam ao mesmo tempo o Filho de Deus e o Filho do homem, como Ele gostava de se chamar a si próprio. Cura, exorciza, absolve, increpa os ventos, acaricia as crianças, compadece-se da multidão, aceita as comidas que lhe oferecem tantos os ricos como os pobres; fala com os ám-há-rez, coisa nefanda para um fariseu, e não só permite que se aproximem Dele os pecadores e os publicanos, como parece ter por eles uma espécie de preferência. Ama-os com essa ternura insistente e inquieta que as mães têm com os filhos ameaçados pela doença ou pela morte. Que paciência tem para todas as ignorâncias e fraquezas! Que doçura e que energia para instruir os discípulos, para suportar as suas imperfeições, para lhes revelar, um por um, os grandes preceitos da nova lei: os deveres de humildade, as alegrias da ajuda fraterna, o perdão das injúrias, o préstimo amável, que não degrada e que enche de gozo o coração.

Acessível, misericordioso, familiar; grandeza heróica, dignidade inefável, soberana pureza; limpidez de palavra, limpidez de pensamento e limpidez de vida. Jesus oferece-nos já, considerado só na intimidade da sua vida e na graça da sua humanidade, a partir do seu ministério público, a mais bela imagem que aos homens foi dado contemplar.

--------------------------------------------------------------------------------------------
A todos uma Santa Páscoa.
Roy.

domingo, 16 de março de 2008

Oração de Santo Inácio de Loiola

Tomai, Senhor, e recebei
toda a minha liberdade,
a minha memória,
o meu entendimento
e toda a minha vontade,
tudo o que tenho e possuo;
Vós mo destes;
a Vós, Senhor, o restituo.
Tudo é vosso,
disponde de tudo,
à vossa inteira vontade.
Dai-me o vosso amor e graça,
que esta me basta.
---------------------------------------------------
Roy (17-3-2008)

Corações ao Alto!

Corações ao Alto!

Senhor, foi de coração ao alto que caminhaste pela terra.
Foi de coração ao alto que fizeste milagres e que chegaste a tanta gente.
Foi assim que suportaste a flagelação, a solidão, o desprezo dos que mais amas.
Quando caminhavas para o calvário, era o Teu coração que Te arrastava, que suportava o peso daquele enorme madeiro e Te levantava quando caías.
É de coração ao alto, braços abertos e entrega total que nos salvas e perdoas todos os dias.
É assim que nos ensinas a viver.
É a pureza, entrega e simplicidade que mostras, o amor incondicional, o Teu coração bem alto para que todos O vejam e sintam, para que todos se convertam e mudem de direcção para Ti, em direcção ao Teu coração frágil, cravado de espinhos e triste, mas incondicionalmente à nossa disposição.
Ensina-me a juntar o meu coração ao Teu. Alto.
Comprometido para estar sempre ao lado do Teu, à disposição para, como Tu, salvar almas.
Que não se perca nem mais uma alma por o meu coração terreno e fraco, pequeno e medroso, não se conseguir elevar.
Da mesma maneira que o Teu corpo rasgado e ensanguentado, terreno, Se levantava na Cruz com a força do Teu maravilhoso coração, peço-Te que o meu amor limitado seja hoje puxado pelo Teu até aos céus, trazendo comigo muitos outros.
Ámen.

Aqui vos deixo uma oração para estes dias da Semana Santa, escrita pela minha irmã.

Sofia Posser

segunda-feira, 10 de março de 2008

Vaticano divulga lista de novos pecados capitais

A manipulação genética, o uso de drogas, a desigualdade social e a poluição ambiental estão entre os novos pecados capitais pelos quais os cristãos devem pedir perdão, segundo a nova lista apresentada pela Santa Sé. O Vaticano actualizou a lista de pecados capitais para adaptá-la à "realidade da globalização".

Os novos pecados capitais - merecedores de condenação segundo a Igreja Católica - serão agregados aos anteriores: gula, luxúria, avareza, ira, soberba, vaidade e preguiça.
Publicada no domingo no jornal do Vaticano, Osservatore Romano, a lista foi divulgada depois que o Papa Bento VI denunciou a "queda do sentimento de pecado no mundo secularizado", em meio à redução no número de católicos que praticam a confissão.

Sociedade
Em entrevista ao Osservatore Romano, monsenhor Gianfranco Girotti, responsável pelo tribunal da Cúria Romana que trata das questões internas do Vaticano, afirmou que, ao contrário dos anteriores, os novos pecados vão além dos direitos individuais e têm uma dimensão social.
"Há várias áreas relacionadas aos direitos individuais e sociais dentro das quais incorrer em atitudes pecaminosas. Antes de mais nada, a área bioética, dentro da qual não podemos deixar de denunciar algumas violações de direitos fundamentais da natureza humana, através de experiências e manipulações genéticas, cujos êxitos são difíceis de prever e manter sob controle".
Na avaliação do prelado, a injustiça social e os crimes ambientais também estão na lista das novas ofensas pelas quais os fiéis devem pedir perdão e fazer penitência.
"A desigualdade social, onde os ricos se tornam cada vez mais ricos e os pobres, cada vez mais pobres, alimentam uma insuportável injustiça social. Depois tem a área da ecologia, que hoje desperta grande interesse
", apontou o responsável pelo tribunal vaticano.
Na entrevista, Girotti citou ainda o uso de drogas como um dos novos pecados que merecem condenação.
"A droga enfraquece a psique e obscura a inteligência, deixando muitos jovens fora do circuito da Igreja", explica.

Questão da sociedade
Na interpretação de monsenhor Girotti, o pecado deixou de ser apenas uma questão pessoal e passou a ter maior influencia na sociedade.
"Antes, o pecado tinha uma dimensão individual, hoje tem uma impacto social, principalmente por causa da globalização. A atenção ao pecado agora é mais urgente devido aos reflexos maiores e mais destruidores que pode ter", disse Girotti.

Na entrevista ao jornal, o monsenhor recordou que entre os grandes pecados estão o aborto e a pedofilia e comentou o escândalo dos abusos sexuais cometidos por padres.
Ele admitiu que se trata de um problema grave, mas denunciou uma espécie de campanha contra a Igreja Católica por parte dos meios de comunicação.
"Estes fenômenos graves que foram denunciados demonstram a fragilidade humana e institucional da Igreja. Ela, porém, reagiu e continua reagindo para tutelar sua imagem e o bem do povo de Deus. Mas os meios de comunicação enfatizam o problema, prejudicando a imagem da Igreja", declarou o clérigo ao jornal.

Confissão
Monsenhor Gianfranco Girotti falou dos novos pecados aos padres reunidos no Vaticano até o final de semana passado, durante curso de atualização sobre o sacramento da confissão.
Durante o curso, o responsável pelo tribunal informou que cada vez menos católicos confessam os próprios pecados aos padres. Girotti denunciou que cerca de 60% dos fiéis na Itália não se confessam, citando estatísticas da Universidade Católica italiana.
Na entrevista ao Osservatore Romano, Girotti recordou as recomendações para se receber o perdão.
"Confissão em 15 ou máximo 20 dias antes ou depois de cometer o pecado, comunhão, oração segundo as intenções do Papa, pureza e caridade", disse o clérigo.

quarta-feira, 5 de março de 2008

Envio em anexo o texto da homília do Santo Padre durante o Angelus do Domingo, 2 de Março. Não consegui encontrar a tradução em português.
Roy.

Dear Brothers and Sisters,
In these Sundays of Lent, through the texts of the Gospel of John, the liturgy leads us on a true and proper baptismal journey: Last Sunday Jesus promised the Samaritan woman the gift of "living water"; today, healing the blind man, Jesus reveals himself as the "light of the world"; next Sunday, resurrecting his friend Lazarus from the dead, he will present himself as "the resurrection and the light." Water, light, life: these are symbols of baptism, the sacrament that "immerses" believers in the mystery of the death and resurrection of Christ, freeing them from the slavery of sin and granting them eternal life.

Let us pause briefly over the story of the man born blind (John 9:41). The disciples, according to the mentality that was common at that time, take for granted that his blindness is the consequence of his sin or his parents' sin. Jesus, however, rejects this view and affirms: "Neither he nor his parents sinned; it is so that the works of God might be made visible through him" (John 9:3).

What comfort these words offer us! They allow us to hear the living voice of God, who is provident and wise Love! Before the man marked by limitation and suffering Jesus does not think about possible faults, but about the will of God that created man for life. And so he solemnly declares: "We must do the works of the one who sent me ... While I am in the world, I am the light of the world" (John 9:5).

And he immediately takes action: With a little bit of earth and saliva he makes some mud and spreads it on the eyes of the blind man. This gesture alludes to the creation of man, which the Bible recounts with the symbol of earth that is formed and animated by the breath of God (cf. Genesis 2:7). "Adam," in fact, means "soil," and the human body is indeed composed of elements of the earth. Healing the man, Jesus brings about a new creation.

But that healing provokes a heated debate because Jesus performed it on the Sabbath, thereby transgressing a precept of the feast. Thus, at the end of the episode, Jesus and the blind man meet up again, both being chased out by the Pharisees: one because he violated the law and the other because, despite the healing, he remains marked as a sinner from birth.

To the blind man whom he healed Jesus reveals that he has come into the world for judgment, to separate the blind who can be healed from those who do not allow themselves to be healed because they presume that they are healthy. The tendency in man to construct an ideological system of security is strong: Even religion itself can become an element in this system, as can atheism, or secularism; but in constructing this system, one becomes blind to his own egoism.

Dear brothers, let us allow Jesus to heal us, Jesus who can and wants to give us the light of God! Let us confess our own blindnesses, our myopias, and above all that which the Bible calls the "great sin" (Psalm 18:14): pride. May Mary Most Holy help us in this, who, giving birth to Christ in the flesh, gave the world the true light.

[After the Angelus the Holy Father said the following in Italian:]
With profound sadness I follow the dramatic event of the kidnapping of Monsignor Paulos Faraj Rahho, Chaldean Archbishop of Mosul, in Iraq. I join the call of the patriarch, Cardinal Emmanuel III Delly, and his co-workers, for the dear prelate -- who is also in very poor health -- to be released immediately. I also elevate my prayer of supplication for the souls of the three young people who were with him and were killed at the time of the kidnapping. I express, moreover, my closeness to the entire Church in Iraq and in particular to the Chaldean Church, who have once again been dealt a serious blow, while I encourage all of the pastors and faithful to be strong and firm in hope. May the efforts of those who control the fate of the Iraqi people be multiplied so that, thanks to the commitment and wisdom of all, this people may again find peace and security, and the future to which it has a right not be destroyed.
Unfortunately, in recent days the tension between Israel and the Gaza Strip has reached very grave levels.

I renew my pressing invitation to Israeli and Palestinian officials, that this spiral of violence be stopped, unilaterally, without conditions: only by showing an absolute respect for human life, even that of the enemy, can one hope to provide a future of peace and coexistence for the young generations of those peoples who both have their roots in the Holy Land. I invite the whole Church to lift up supplications to the Almighty for peace in the land of Jesus and to show attentive and active solidarity with both populations, Israeli and Palestinian.
Over the course of the week the Italian news directed its attention to the sad end of two children, known as Ciccio and Tore. It is an end that has deeply stricken me as it has many families and persons. I would like to take this occasion to launch an appeal on behalf of childhood: let us care for our little ones! We must love them and help them to grow. I say this to parents but also to institutions. In launching this appeal, I think of childhood in every part of the world, above all of that which is defenseless, exploited and abused. I entrust every child to the heart of Christ, who said: "Let the children come unto me!" (Luke 18:16).
[Translation by Joseph G. Trabbic]

terça-feira, 4 de março de 2008

Piscina Betzatá

Depois disto, havia uma festa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. Em Jerusalém, junto à Porta das Ovelhas, há uma piscina, em hebraico chamada Betzatá. Tem cinco pórticos, e neles jaziam numerosos doentes, cegos, coxos e paralíticos. Estava ali um homem que padecia da sua doença há trinta e oito anos. Jesus, ao vê-lo prostrado e sabendo que já levava muito tempo assim, disse-lhe:«Queres ficar são?» Respondeu-lhe o doente: «Senhor, não tenho ninguém que me meta na piscina quando se agita a água, pois, enquanto eu vou, algum outro desce antes de mim». Disse-lhe Jesus: «Levanta-te, toma a tua enxerga e anda.» E, no mesmo instante, aquele homem ficou são, agarrou na enxerga e começou a andar. Ora, aquele dia era de sábado. Por isso os judeus diziam ao que tinha sido curado: «É sábado e não te é permitido transportar a enxerga.» Ele respondeu-lhes: «Quem me curou é que me disse: 'Toma a tua enxerga e anda'.» Perguntaram-lhe, então: «Quem é esse homem que te disse: 'Toma a tua enxerga e anda'?» Mas o que tinha sido curado não sabia quem era, porque Jesus se tinha afastado da multidão ali reunida. Mais tarde, Jesus encontrou-o no templo e disse-lhe: «Vê lá: ficaste curado. Não peques mais, para que não te suceda coisa ainda pior.» O homem foi-se embora e comunicou aos judeus que fora Jesus quem o tinha curado. E foi por isto, por Jesus realizar tais coisas em dia de sábado, que os judeus começaram a persegui-lo.
(S. João 5,1-3.5-16.)
E as ruinas lá estavam para vermos...LA

domingo, 2 de março de 2008

Meditação de um autor anónimo do sec. XIV

Le Christ n'a pas de mains
Il n'a que nos mains
pour faire son travail d'aujourd'hui
Le Christ n'a pas de pieds,
Il n'a que nos pieds
pour conduire les hommes sur son chemin
Le Christ n'a pas de lèvres,
Il n'a que nos lèvres
pour parler de Lui aux hommes
Le Christ n'a pas d'aides
Il n'a que notre aide pour mettre les hommes de Son côté
Nous sommes la seule Bible que le public lit encore
Nous sommes le dernier message de Dieu
écrit en actes e en paroles.
MAS

sábado, 1 de março de 2008

A paz é possível.

video

NB - Ligar o som!

Basta acreditar... basta confiar...

video

Nota: é preciso ligar o som!

A Luz do Mundo

Quem O segue sairá das trevas: escravidão, egoísmo, orgulho e auto-suficiência. E com a Sua luz passará a ser um Homem Novo: fraterno, humilde e feliz. LA

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008


"Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas. Não vim revogá-los, mas levá-los à perfeição. Porque em verdade vos digo: Até que passem o céu e a terra, não passará um só jota ou um só ápice da Lei, sem que tudo se cumpra. Portanto, se alguém violar um destes preceitos mais pequenos, e ensinar assim aos homens, será o menor no Reino do Céu. Mas aquele que os praticar e ensinar, esse será grande no Reino do Céu. " Mateus 5,17-19.


«Não penseis que vim revogar a Lei ou os profetas. Não vim revogá-los, mas levá-los à perfeição» […] Naquele tempo, com efeito, o Senhor exerceu o poder para cumprir na sua pessoa todos os mistérios que a Lei anunciava acerca de Si. Porque, na Paixão, Ele concretizou todas as profecias. Quando, segundo a profecia do bem-aventurado David (Sl 68,22), lhe ofereceram uma esponja embebida em vinagre para acalmar a sede, Ele aceitou-a dizendo: «Tudo está consumado». Depois, inclinando a cabeça, entregou o espírito (Jo 19,30). Epifânio de Benevento (sécs. V-VI), bispo


FFP

domingo, 24 de fevereiro de 2008

Água viva

"Todo aquele que bebe desta água voltará a ter sede. Mas aquele que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede: a água que Eu lhe der tornar-se-á uma nascente que jorra para a vida eterna".
Senhor eu também quero desta água para me fazer um homem novo, para me fazer renascer, para me fazer reviver. LA

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Jerusalem, Cidade de Davi 3.000 anos de Historia

Interessantes imagens da Cidade Santa.LA

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Acordo de Paz

Uma declaração unilateral de independência não é uma possibilidade imediata, esclareceu ontem o presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, desvalorizando a advertência de uma solução tipo Kosovo feita por um dos seus conselheiros. "Vamos prosseguir as negociações [com Israel] de modo a concluir, em 2008, um acordo de paz que inclua a solução de todas as questões cruciais, incluindo Jerusalém", disse Abbas num comunicado, citado pela edição electrónica do jornal Ha"aretz."Se não conseguirmos isso e chegarmos a um impasse", prosseguiu, "iremos ter com a nossa nação árabe para tomar a decisão necessária ao mais alto nível." No Público de 21 de Fevereiro.
Agora que lá estivemos percebemos quão difícil é este processo do Estado Palestiniano e do seu território, especielmente no que concerne a Jesuralém, a cidade Santa, para Judeus, Cristãos e Islamitas. LA

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

O Tempo

A Tia Mosca enviou-nos este pensamento que penso ajuda a todos a viver melhor o dia-a-dia:

O tempo é muito lento para os que esperam, muito rápido para os que têm medo, muito longo para os que lamentam, muito curto para os que festejam. Mas, para os que amam, o tempo é eternidade...William Shakespeare

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Peregrinação à Terra Santa em Janeiro de 2008

Organizada pela Associação Cristã de Empresários e Gestores. As pessoas responsáveis foram, o Rui Corrêa de Oliveira, o Gonçalo Corrêa de Oliveira e o padre Mário Rui Pedras, na qualidade de assistente espiritual desta associação. Acompanhou-nos o Sr. António Ramos da Agência de Viagens Geotur e em Israel, tivemos um guia, judeu e brasileiro, o Alex e um motorista árabe cirstão, o Saher.
Toda esta peregrinação foi muito bem pensada e organizada, tivemos duas reuniões de preparação semanas antes da partida, com a finalidade de todos e cada um, tirarem o máximo de partido desta experiência fantástica que é a de seguir os passos de Jesus na Sua Terra. O trabalho proposto foi, então, o de ler o Livro do Papa Bento XVI “Jesus de Nazaré” e o Evangelho de S João. De notar que toda a peregrinação foi muito bem preparada em todos os aspectos importantes para uma viagem, mas especialmente, no que toca à parte espiritual, pois em todos os lugares por onde passámos, descritos abaixo, fizemos memória das palavras de Jesus ou acontecimentos que marcaram cada um desses lugares. Foi exactamente isso que deu consistência espiritual ao nosso peregrinar!
No dia 18 de Janeiro, sexta-feira, à hora do almoço, iniciámos a nossa peregrinação com o encontro no Aeroporto de Lisboa. Foi-nos entregue um saco com um guia e alguma documentação útil para a nossa viagem, além de uma identificação com o nosso nome e os números de tm dos guias da peregrinação. Nada ficou por pensar! Neste dia dormimos em Frankfurt.
Dia 19, sábado partimos de Frankfurt para Tel Aviv, e nessa noite já dormimos em Nazaré, onde depois do jantar ainda fomos rezar um terço com a comunidade árabe cristã local. O terço foi rezado no adro da Basílica da Anunciação. É sempre impressionante rezar em conjunto com pessoas que não conhecemos e que falam outra língua e sentir sintonia, porque estamos ali pela mesma razão.
Dia 20, domingo, de manhã cedo, fomos novamente para a Basílica da Anunciação, construída em cima das ruínas da casa de Nossa Senhora e no local onde era a pequena aldeia de Nazaré. Aqui viveu Maria o momento da Anunciação. Mais tarde e já depois da fuga para o Egipto, a Sagrada Família viveu na antiga casa de S. José, a 100 metros da casa de Nossa Senhora, onde está hoje construída a igreja da Sagrada Família. Nesta basílica, e à volta de um altar aí construído, ouvimos missa rezada pelo Padre Mário Rui. Depois do almoço fomos a Banias (Cesareia de Felipe) perto da nascente do Rio Jordão, onde renovámos as promessas do Baptismo, mergulhando umas medalhas de barro feitas para esta cerimónia, em água benzida e apanhada ali na cascata, para esse efeito. À noite fomos rezar um terço individualmente e em silêncio novamente em frente da casa de Nossa Senhora. Nesta basílica vivemos um dos momentos fortes, pois não nos foi indiferente estar onde toda a história começou. Que privilégio poder estar perante aquelas ruínas! Impressionante ver uma inscrição em grego datada do séc. I onde se lê XE MAPIA, que quer dizer Ave-Maria.
Dia 21, segunda-feira, começámos o dia com um tempo lindo e fomos directos para o Monte das Bem Aventuranças e descemos a pé até ao Lago de Tiberíades. Estivemos em Tabgha - Lugar do Primado. Rezámos missa num anfiteatro ao ar livre, vimos a igreja da Multiplicação e fomos a Cafarnaum, onde visitámos as suas ruínas, passando pela sinagoga e vendo o que resta da casa de S. Pedro, onde se sabe que Jesus viveu, quando iniciou a sua vida pública. De seguida apanhámos um barco para a outra margem do lago, onde almoçámos o peixe grelhado de São Pedro, tal como Jesus fez com os seus discípulos. Antes de escurecer, subimos aos Montes Golan de onde se pode ver todo o lago de Tiberíades, uma vista fantástica. Regressámos ao hotel, rezando um terço pelo caminho, e depois do jantar tivemos um encontro onde todos se apresentaram e explicaram a razão pela qual tinham decidido realizar esta viagem. Pontos altos deste dia. Descida do Monte das Bem-Aventuranças, relembrando, em silêncio, as respectivas passagens do Evangelho. A travessia do lago, com uma paragem a meio, onde lemos o Evangelho do milagre de Jesus a andar sobre as águas, acabando o resto da travessia em silêncio. A leitura do Evangelho onde Jesus Se deu a conhecer como o Messias, na mesma sinagoga onde Ele o fez. O encontro da noite que se tornou num ponto de viragem na vontade de todos nós nos querermos conhecer uns aos outros, tentando perceber porquê estas pessoas e não outras!
Dia 22, terça-feira, acordámos cedo como todos os dias, mas com um dia muito triste, muito frio e chuvoso. Subimos ao Monte Tabor, onde estava ainda mais frio e assistimos à missa na Igreja da Transfiguração. Em seguida descemos o Vale do Jordão passando por Jericó - aqui Jesus foi baptizado por S.João. Daí seguimos até ao Mar Morto, onde vimos a outra face do Rio Jordão, isto é, uma água sem vida. Depois de constatarmos que a sua nascente era tão pura e tão limpa, mas que ao longo do seu percurso se pôde estragar, fizemos a analogia com as nossas vidas e como elas podem ter percursos semelhantes ao do rio, se não cuidarmos das nossas almas e da nossa relação com Deus. Almoçámos em Qumram. Em seguida fizemos a experiência do Deserto, onde tentámos cada um por si e em silêncio, discernir quais as tentações que mais nos afastam de Deus. Subimos para Jerusalém e antes de entrar na cidade, parámos no Monte Scopus, onde fizemos uma pequena oração e bebemos um vinho do Porto para festejar a chegada ao cume desse monte, de onde se tem uma vista sobre toda a cidade de Jerusalém, sobre a qual Jesus chorou. Chegada ao Hotel de Jerusalém, jantar e encontro, onde partilhámos todas as emoções fortes do dia tentando exprimir o que mais nos tocou na experiência do Deserto.
Dia 23,quarta-feira, começámos por subir a Ein Karim. Visitámos a Igreja de S. João Baptista e a da Visitação, lugar para onde Zacarias retirou Sta Isabel quando estava à espera de S João Baptista. Nelas existem painéis nas paredes exteriores com o Benedictus e o Magnificat, em todas as línguas do mundo. Fizemos memória destes dois momentos. À tarde fomos ver uma Maquete de Jerusalém ao tempo de Jesus para perceber melhor como era a Cidade nesse tempo. De seguida e depois de passármos o muro que divide Israel da Cisjordânia, com toda a sua segurança policial e vistorias necessárias ao autocarro, fomos a Belém, à Igreja da Natividade - lugar da gruta onde nasceu o Menino Jesus e, actualmente, um espaço ortodoxo. Ainda em Belém fomos ao Mosteiro do Emanuel, pertença de Irmãs Beneditinas católicas embora de rito bizantino. Mais uma vez tivemos missa rezada pelo padre Mário Rui e depois fomos recebidos com um chá quentinho e umas bolachas. Depois deste reconfortante lanche tivemos ocasião para comprar artesanato feito por estas Irmãs que, com tanta alegria nos receberam, alegria que não nos deixou indiferentes. Sendo esta uma das formas de ajudar à sobrevivência dos cristãos neste lugar, antes de voltarmos para Jerusalém ainda visitámos outra loja de cristãos árabes para fazer mais umas compras. Voltámos a passar o muro de volta para Jerusalém, onde 15 minutos mais tarde jantámos no Hotel, voltando a sair já à noite para uma visita aos telhados da Cidade e ao Muro das Lamentações. Neste dia o momento mais tocante foi estar na gruta onde nasceu Jesus e verificar como os lugares sagrados são ponto de discórdia entre as várias igrejas cristãs, em vez de união. O Muro das Lamentações, com toda a sua carga histórica, também não nos deixou indiferentes, ajudando a perceber algumas lógicas dos rituais judaicos.
Dia 24, quinta-feira, de manhã cedo fomos para a Cidade – Velha, onde visitámos as ruínas da cidade ao tempo de Jesus, desse modo percebendo melhor o que íamos vendo. Voltámos a passar no Muro das Lamentações mas desta vez do lado das ruínas, seguindo para o lugar do Templo, hoje sobre custódia Muçulmana, o que obriga a uma vistoria à entrada para detectar eventuais armas… Aqui vimos apenas por fora todo o espaço envolvente do antigo templo onde hoje está construída a Mesquita do Rochedo. Ao sair dirigimo-nos para o Monte Sião, e visitámos a Igreja da Dormição de Maria, lugar onde segundo a tradição, Maria acabou os seus dias e adormeceu no Amor do Senhor. No Cenáculo, local onde não se pode celebrar missa por não pertencer à igreja católica, fizemos memória de alguns momentos importantes, tais como, a Última Ceia, o Lava-pés e o Milagre de Pentecostes. À tarde e depois de uma missa perto do Cenáculo, fomos para o Monte das Oliveiras, Lugar onde Jesus chorou antes de entrar em Jerusalém no Domingo de Ramos. Aqui fazendo memória desse acontecimento, edificaram uma igreja em forma de lágrima e com um altar em que o fundo é uma grande janela, com uma vista sobre a cidade chorada por Jesus. Neste jardim e com esta vista sobre a cidade rezamos um terço. Foi inspirado nesta janela que o Rui desenhou o logótipo da Peregrinação. Passámos, ainda, numa igreja ortodoxa, onde segundo a tradição deles, está o túmulo de Nossa Senhora. É aqui que podemos ver o lugar onde Jesus recebeu o beijo de Judas. Nesta noite viemos à Basílica da Agonia no Vale do Cédron, onde vivemos outro dos momentos mais altos e de maior densidade espiritual da semana. Aqui tivemos uma noite de Adoração ao Santíssimo, em que, cada um colocou no Altar uma vela com o seu nome, em representação da nossa entrega à vontade de Deus. Este momento foi orientado pelo Padre Mário Rui. No fim todos passamos na Pedra que faz parte do Altar da Basílica e onde desde o séc. I se relembra a Agonia do Senhor e onde ele suou sangue. No jardim estão Oliveiras com 3 mil anos, contemporâneas de Jesus. Estão dentro do convento dos franciscanos que nos permitiram esta hora de Adoração e a visita a estas árvores, nas quais não é possível tocar. Voltamos para o hotel em silêncio. A vivência tinha sido muito intensa. Sem palavras.
Dia, 25, sexta-feira, acordámos ainda mais cedo, cinco e meia da manhã. Entrámos na Cidade Velha pela Porta dos Leões. Percorremos a Via-Sacra, com as lojas árabes ainda fechadas, única forma possível de o fazer. Fomos levando a cruz à vez e acabámos na Basílica do Santo Sepulcro. Para entrar nesta Basílica tivemos que passar pela Igreja Ortodoxa Etíope, por sinal uma comunidade muito pobre. Tal como na Basílica da Natividade existe uma grande tensão entre as várias igrejas à volta dos lugares santos. Dentro desta, no lugar da crucificação, o Monte Golgotá, acabámos a Via-sacra. Depois dirigimo-nos para o local que pertence à igreja católica, mais propriamente aos Franciscanos, onde rezamos a Missa da Ressurreição. Aqui vivemos mais um momento alto com esta missa rematando a experiência de fazer a Via-Sacra nos mesmos lugares por onde Jesus passou. Todas estas vivências convidaram-nos a uma reflexão interior muito grande. Finda a missa fomos visitar o Santo Sepulcro e o resto da Basílica. Na parte exterior tirámos a fotografia de grupo para recordação e fizemos o caminho da Via-Sacra no sentido contrário já com a sua vida habitual de um bairro árabe. Antes do almoço ainda fomos visitar as Piscinas Probáticas e a Igreja de Sta Ana cuja acústica é fantástica. Neste dia tivemos tarde livre.
Dia 26, sábado, o dia começou cinzento, frio e chuvoso, parecendo que nos acompanhava na nossa melancolia em deixar os lugares onde vivemos uma experiência tão forte e tão boa durante toda a semana. Fomos para Emaús, lugar onde Jesus Ressuscitado se deu a conhecer aos discípulos, com o partir do Pão. Nesta terra almoçamos num simpático convento das Irmãs de S. José irlandesas que nos receberam com a habitual alegria com que todos os cristãos sempre nos receberam ao longo de toda a peregrinação e que tanto nos tocou.
Tentei relatar todos os passos dados de forma resumida para não tornar extenso este texto. Quis aqui deixar um testemunho escrito para relembrar o que vivi e me marcou. É impossível descrever tudo o que senti e vivi, apenas posso dizer que o que se viveu nesta semana não deixa ninguém indiferente. Foi fantástico verificar o efeito que teve em todos nós ouvir o Evangelho nos domingos seguintes. Tem sido muito especial continuar a viver esta experiência através da Internet com todo o grupo. É impossível conter a vontade de partilhar o que vivemos. Peço a Deus que continue connosco e não deixe cair, de novo, na noite da indiferença.
Acabo agradecendo a toda a organização, pedindo a Deus que os encha de bênçãos, pois não tenho dúvida de que esta é uma missão que agrada ao Senhor!
Luísa Pinto Leite
Organizada pela Associação Cristã de Empresários e Gestores. As pessoas responsáveis foram, o Rui Corrêa de Oliveira, o Gonçalo Corrêa de Oliveira e o padre Mário Rui Pedras, na qualidade de assistente espiritual desta associação. Acompanhou-nos o Sr. António Ramos da Agência de Viagens Geotur e em Israel, tivemos um guia, judeu e brasileiro, o Alex e um motorista árabe cirstão, o Saher.
Toda esta peregrinação foi muito bem pensada e organizada, tivemos duas reuniões de preparação semanas antes da partida, com a finalidade de todos e cada um, tirarem o máximo de partido desta experiência fantástica que é a de seguir os passos de Jesus na Sua Terra. O trabalho proposto foi, então, o de ler o Livro do Papa Bento XVI “Jesus de Nazaré” e o Evangelho de S João. De notar que toda a peregrinação foi muito bem preparada em todos os aspectos importantes para uma viagem, mas especialmente, no que toca à parte espiritual, pois em todos os lugares por onde passámos, descritos abaixo, fizemos memória das palavras de Jesus ou acontecimentos que marcaram cada um desses lugares. Foi exactamente isso que deu consistência espiritual ao nosso peregrinar!
No dia 18 de Janeiro, sexta-feira, à hora do almoço, iniciámos a nossa peregrinação com o encontro no Aeroporto de Lisboa. Foi-nos entregue um saco com um guia e alguma documentação útil para a nossa viagem, além de uma identificação com o nosso nome e os números de tm dos guias da peregrinação. Nada ficou por pensar! Neste dia dormimos em Frankfurt.
Dia 19, sábado partimos de Frankfurt para Tel Aviv, e nessa noite já dormimos em Nazaré, onde depois do jantar ainda fomos rezar um terço com a comunidade árabe cristã local. O terço foi rezado no adro da Basílica da Anunciação. É sempre impressionante rezar em conjunto com pessoas que não conhecemos e que falam outra língua e sentir sintonia, porque estamos ali pela mesma razão.
Dia 20, domingo, de manhã cedo, fomos novamente para a Basílica da Anunciação, construída em cima das ruínas da casa de Nossa Senhora e no local onde era a pequena aldeia de Nazaré. Aqui viveu Maria o momento da Anunciação. Mais tarde e já depois da fuga para o Egipto, a Sagrada Família viveu na antiga casa de S. José, a 100 metros da casa de Nossa Senhora, onde está hoje construída a igreja da Sagrada Família. Nesta basílica, e à volta de um altar aí construído, ouvimos missa rezada pelo Padre Mário Rui. Depois do almoço fomos a Banias (Cesareia de Felipe) perto da nascente do Rio Jordão, onde renovámos as promessas do Baptismo, mergulhando umas medalhas de barro feitas para esta cerimónia, em água benzida e apanhada ali na cascata, para esse efeito. À noite fomos rezar um terço individualmente e em silêncio novamente em frente da casa de Nossa Senhora. Nesta basílica vivemos um dos momentos fortes, pois não nos foi indiferente estar onde toda a história começou. Que privilégio poder estar perante aquelas ruínas! Impressionante ver uma inscrição em grego datada do séc. I onde se lê XE MAPIA, que quer dizer Ave-Maria.
Dia 21, segunda-feira, começámos o dia com um tempo lindo e fomos directos para o Monte das Bem Aventuranças e descemos a pé até ao Lago de Tiberíades. Estivemos em Tabgha - Lugar do Primado. Rezámos missa num anfiteatro ao ar livre, vimos a igreja da Multiplicação e fomos a Cafarnaum, onde visitámos as suas ruínas, passando pela sinagoga e vendo o que resta da casa de S. Pedro, onde se sabe que Jesus viveu, quando iniciou a sua vida pública. De seguida apanhámos um barco para a outra margem do lago, onde almoçámos o peixe grelhado de São Pedro, tal como Jesus fez com os seus discípulos. Antes de escurecer, subimos aos Montes Golan de onde se pode ver todo o lago de Tiberíades, uma vista fantástica. Regressámos ao hotel, rezando um terço pelo caminho, e depois do jantar tivemos um encontro onde todos se apresentaram e explicaram a razão pela qual tinham decidido realizar esta viagem. Pontos altos deste dia. Descida do Monte das Bem-Aventuranças, relembrando, em silêncio, as respectivas passagens do Evangelho. A travessia do lago, com uma paragem a meio, onde lemos o Evangelho do milagre de Jesus a andar sobre as águas, acabando o resto da travessia em silêncio. A leitura do Evangelho onde Jesus Se deu a conhecer como o Messias, na mesma sinagoga onde Ele o fez. O encontro da noite que se tornou num ponto de viragem na vontade de todos nós nos querermos conhecer uns aos outros, tentando perceber porquê estas pessoas e não outras!
Dia 22, terça-feira, acordámos cedo como todos os dias, mas com um dia muito triste, muito frio e chuvoso. Subimos ao Monte Tabor, onde estava ainda mais frio e assistimos à missa na Igreja da Transfiguração. Em seguida descemos o Vale do Jordão passando por Jericó - aqui Jesus foi baptizado por S.João. Daí seguimos até ao Mar Morto, onde vimos a outra face do Rio Jordão, isto é, uma água sem vida. Depois de constatarmos que a sua nascente era tão pura e tão limpa, mas que ao longo do seu percurso se pôde estragar, fizemos a analogia com as nossas vidas e como elas podem ter percursos semelhantes ao do rio, se não cuidarmos das nossas almas e da nossa relação com Deus. Almoçámos em Qumram. Em seguida fizemos a experiência do Deserto, onde tentámos cada um por si e em silêncio, discernir quais as tentações que mais nos afastam de Deus. Subimos para Jerusalém e antes de entrar na cidade, parámos no Monte Scopus, onde fizemos uma pequena oração e bebemos um vinho do Porto para festejar a chegada ao cume desse monte, de onde se tem uma vista sobre toda a cidade de Jerusalém, sobre a qual Jesus chorou. Chegada ao Hotel de Jerusalém, jantar e encontro, onde partilhámos todas as emoções fortes do dia tentando exprimir o que mais nos tocou na experiência do Deserto.
Dia 23,quarta-feira, começámos por subir a Ein Karim. Visitámos a Igreja de S. João Baptista e a da Visitação, lugar para onde Zacarias retirou Sta Isabel quando estava à espera de S João Baptista. Nelas existem painéis nas paredes exteriores com o Benedictus e o Magnificat, em todas as línguas do mundo. Fizemos memória destes dois momentos. À tarde fomos ver uma Maquete de Jerusalém ao tempo de Jesus para perceber melhor como era a Cidade nesse tempo. De seguida e depois de passármos o muro que divide Israel da Cisjordânia, com toda a sua segurança policial e vistorias necessárias ao autocarro, fomos a Belém, à Igreja da Natividade - lugar da gruta onde nasceu o Menino Jesus e, actualmente, um espaço ortodoxo. Ainda em Belém fomos ao Mosteiro do Emanuel, pertença de Irmãs Beneditinas católicas embora de rito bizantino. Mais uma vez tivemos missa rezada pelo padre Mário Rui e depois fomos recebidos com um chá quentinho e umas bolachas. Depois deste reconfortante lanche tivemos ocasião para comprar artesanato feito por estas Irmãs que, com tanta alegria nos receberam, alegria que não nos deixou indiferentes. Sendo esta uma das formas de ajudar à sobrevivência dos cristãos neste lugar, antes de voltarmos para Jerusalém ainda visitámos outra loja de cristãos árabes para fazer mais umas compras. Voltámos a passar o muro de volta para Jerusalém, onde 15 minutos mais tarde jantámos no Hotel, voltando a sair já à noite para uma visita aos telhados da Cidade e ao Muro das Lamentações. Neste dia o momento mais tocante foi estar na gruta onde nasceu Jesus e verificar como os lugares sagrados são ponto de discórdia entre as várias igrejas cristãs, em vez de união. O Muro das Lamentações, com toda a sua carga histórica, também não nos deixou indiferentes, ajudando a perceber algumas lógicas dos rituais judaicos.
Dia 24, quinta-feira, de manhã cedo fomos para a Cidade – Velha, onde visitámos as ruínas da cidade ao tempo de Jesus, desse modo percebendo melhor o que íamos vendo. Voltámos a passar no Muro das Lamentações mas desta vez do lado das ruínas, seguindo para o lugar do Templo, hoje sobre custódia Muçulmana, o que obriga a uma vistoria à entrada para detectar eventuais armas… Aqui vimos apenas por fora todo o espaço envolvente do antigo templo onde hoje está construída a Mesquita do Rochedo. Ao sair dirigimo-nos para o Monte Sião, e visitámos a Igreja da Dormição de Maria, lugar onde segundo a tradição, Maria acabou os seus dias e adormeceu no Amor do Senhor. No Cenáculo, local onde não se pode celebrar missa por não pertencer à igreja católica, fizemos memória de alguns momentos importantes, tais como, a Última Ceia, o Lava-pés e o Milagre de Pentecostes. À tarde e depois de uma missa perto do Cenáculo, fomos para o Monte das Oliveiras, Lugar onde Jesus chorou antes de entrar em Jerusalém no Domingo de Ramos. Aqui fazendo memória desse acontecimento, edificaram uma igreja em forma de lágrima e com um altar em que o fundo é uma grande janela, com uma vista sobre a cidade chorada por Jesus. Neste jardim e com esta vista sobre a cidade rezamos um terço. Foi inspirado nesta janela que o Rui desenhou o logótipo da Peregrinação. Passámos, ainda, numa igreja ortodoxa, onde segundo a tradição deles, está o túmulo de Nossa Senhora. É aqui que podemos ver o lugar onde Jesus recebeu o beijo de Judas. Nesta noite viemos à Basílica da Agonia no Vale do Cédron, onde vivemos outro dos momentos mais altos e de maior densidade espiritual da semana. Aqui tivemos uma noite de Adoração ao Santíssimo, em que, cada um colocou no Altar uma vela com o seu nome, em representação da nossa entrega à vontade de Deus. Este momento foi orientado pelo Padre Mário Rui. No fim todos passamos na Pedra que faz parte do Altar da Basílica e onde desde o séc. I se relembra a Agonia do Senhor e onde ele suou sangue. No jardim estão Oliveiras com 3 mil anos, contemporâneas de Jesus. Estão dentro do convento dos franciscanos que nos permitiram esta hora de Adoração e a visita a estas árvores, nas quais não é possível tocar. Voltamos para o hotel em silêncio. A vivência tinha sido muito intensa. Sem palavras.
Dia, 25, sexta-feira, acordámos ainda mais cedo, cinco e meia da manhã. Entrámos na Cidade Velha pela Porta dos Leões. Percorremos a Via-Sacra, com as lojas árabes ainda fechadas, única forma possível de o fazer. Fomos levando a cruz à vez e acabámos na Basílica do Santo Sepulcro. Para entrar nesta Basílica tivemos que passar pela Igreja Ortodoxa Etíope, por sinal uma comunidade muito pobre. Tal como na Basílica da Natividade existe uma grande tensão entre as várias igrejas à volta dos lugares santos. Dentro desta, no lugar da crucificação, o Monte Golgotá, acabámos a Via-sacra. Depois dirigimo-nos para o local que pertence à igreja católica, mais propriamente aos Franciscanos, onde rezamos a Missa da Ressurreição. Aqui vivemos mais um momento alto com esta missa rematando a experiência de fazer a Via-Sacra nos mesmos lugares por onde Jesus passou. Todas estas vivências convidaram-nos a uma reflexão interior muito grande. Finda a missa fomos visitar o Santo Sepulcro e o resto da Basílica. Na parte exterior tirámos a fotografia de grupo para recordação e fizemos o caminho da Via-Sacra no sentido contrário já com a sua vida habitual de um bairro árabe. Antes do almoço ainda fomos visitar as Piscinas Probáticas e a Igreja de Sta Ana cuja acústica é fantástica. Neste dia tivemos tarde livre.
Dia 26, sábado, o dia começou cinzento, frio e chuvoso, parecendo que nos acompanhava na nossa melancolia em deixar os lugares onde vivemos uma experiência tão forte e tão boa durante toda a semana. Fomos para Emaús, lugar onde Jesus Ressuscitado se deu a conhecer aos discípulos, com o partir do Pão. Nesta terra almoçamos num simpático convento das Irmãs de S. José irlandesas que nos receberam com a habitual alegria com que todos os cristãos sempre nos receberam ao longo de toda a peregrinação e que tanto nos tocou.
Tentei relatar todos os passos dados de forma resumida para não tornar extenso este texto. Quis aqui deixar um testemunho escrito para relembrar o que vivi e me marcou. É impossível descrever tudo o que senti e vivi, apenas posso dizer que o que se viveu nesta semana não deixa ninguém indiferente. Foi fantástico verificar o efeito que teve em todos nós ouvir o Evangelho nos domingos seguintes. Tem sido muito especial continuar a viver esta experiência através da Internet com todo o grupo. É impossível conter a vontade de partilhar o que vivemos. Peço a Deus que continue connosco e não deixe cair, de novo, na noite da indiferença.
Acabo agradecendo a toda a organização, pedindo a Deus que os encha de bênçãos, pois não tenho dúvida de que esta é uma missão que agrada ao Senhor!

Luísa Pinto Leite

Estou óptima!

Quero partilhar convosco este texto muito bem escrito sobre a doença da (sétima!!) filha de uma amiga Minha, a Maria Mathias que considero uma lição de confiança nos desígnios e amor de Deus.

Rita Salgado


Queridos todos

A nossa adorada Marta fez análises na segunda-feira dia 4 e confirmou-se que os valores estão a subir: hemoglobina a 10.8 (fazem transfusão abaixo de 7), 240.000 plaquetas (transfunde-se abaixo de 20.000), 800 neutrófilos... Esta aplasia (período em que os valores batem no fundo do poço) foi passada em casa! Agora, se não houver outro tipo de complicações, a Marta vai para o IPO na segunda dia 11, faz análises para confirmar que está tudo bem e começa a sua quarta quimioterapia.
Estes dias que a Marta passou em casa proporcionaram-me umas abertas a mim, Mãe da Marta - como somos tratadas no IPO. Nessas rápidas saídas, tenho encontrado pessoas que, muito atenciosas e preocupadas, me perguntam como é que eu estou. Eu respondo "Estou óptima!" Olham para mim perplexas, sem saber bem se estou a ser irónica, se estou a leste ou se simplesmente já 'me passei'! Mas a verdade é mesmo esta: estou óptima!
Estou também completamente ciente da gravidade do cancro da Marta. Sei que as leucémias mieloblásticas têm uma percentagem de cura que ronda os 30 por cento, que o facto do cancro se ter desenvolvido antes da Marta ter um ano, agrava a coisa, que os cancros têm a característica de serem imprevisíveis: agora está-se a reagir bem e daqui a meia hora está-se em perigo iminente de vida... Tendo já quatro meses de IPO, com vários internamentos e isolamentos, posso dizer que já vi muito. Já vi crianças moribundas que no dia seguinte entraram na salinha dos brinquedos pelo seu pé e já vi crianças que se diria tinham finalmente 'dado a volta' e que no dia seguinte tinham morrido. E já vi aquelas cujo estado geral se deteriora de tal maneira que vão ficando cada vez mais no seu quarto, cada vez mais ausentes até entrarem em coma cada vez mais profundo e morrerem.
Dou-me conta que mais ainda que o desenrolar do próprio cancro, há um sem fim de complicações que aparecem para alterar os prognósticos e os subsequentes tratamentos. Sei também que o processo está longe de estar concluído: quando acabar esta fase vem um ano da chamada 'manutenção' e depois vem a vigilância constante e regular: não se sabendo o que provoca este cancro não se têm pistas para antecipar uma possível recaída. E se houver recaída, tudo fica bem mais difícil e as hipóteses de cura bem mais remotas. Prognósticos aqui, só mesmo no fim do jogo!
E depois, há os tratamentos que são brutais. E brutais as consequências e os efeitos secundários dos tratamentos. E brutais todas aquelas coisas que se espera não aconteçam mas que já aconteceram noutros casos... E há as biópsias sob anestesia e ficar meio dia sem poder comer nem beber, e há as punções lombares feitas sem anestesia... E é a perspectiva de mais internamentos e de mais isolamentos e da vida posta de lado durante anos... E é o dó daqueles que sofrem sem se queixar, e daqueles que não aguentam mais, e dos pais que não são capazes de lidar com a doença, e das crianças que choram, choram... E é o ambiente que pode ser tão pesado que os próprios médicos dizem: 'há dias que nenhuma palavra é capaz de descrever o que aqui se passa'...
Para não falar no famoso transplante que a ouvir as pessoas é tão simples como tomar uma aspirina. Simples é, na medida em que o transplantado recebe a medula a transplantar através do caterer: parece uma transfusão. Mas aqui acabam as parecenças. Para preparar o doente para o transplante é preciso 'eliminar' por completo a medula do próprio, o que é feito com doses ainda mais 'letais' de quimioterapia e outros processos. E depois é preciso que o transplante agarre, que não seja rejeitado, que não rejeite o seu novo hospedeiro, que o que resta do sistema imunológico do doente não se ponha a combater desenfreadamente este invasor... E os vómitos, e os enjoos, e as feridas no sistema digestivo, e os problemas na pele, e as complicações... são proporcionais. E este isolamento sim é rigorosíssimo e não costuma durar menos de dois a três meses.
No meio disto tudo, a Marta tem tido um percurso surpreendentemente bom.
Porque a quimio tem resultado (há crianças cujos cancros não cedem nem um milímetro a doses sucessivas de quimioterapia), porque de todas as infecções que podia já ter feito - fez poucas, porque de todas as complicações - só fez a dos fungos... Porque odiava 'fazer o penso do cateter' que tem que ser mudado todas as semanas, chorava, gritava, debatia-se e ficava roxa que nem uma beringela (descolam-se os adesivos que agarram à pele e isolam de infecções primárias, limpa-se, desinfecta-se com alcóol e colocam-se novos adesivos) mas já fez dois pensos sem chorar! No hospital de dia toda a gente sabe que de todas as crianças que por lá passaram só havia uma menina que não chorava quando fazia o penso. Agora se calhar vai passar a haver uma segunda.
E esse famoso cateter que tem funcionado sem problemas! Há crianças que com o mesmo tempo de cancro que a Marta já mudaram 4 vezes de cateter, outras que não podem pôr cateter.... E é vê-los serem picados para tirar sangue, para fazer tratamentos. E já nem tem a ver com a perícia das enfermeiras que é muita, tem a ver com a saturação e a dificuldade em gerir esta 'doença prolongada'.
A Marta é um deslumbramento e vive este desafio com uma maturidade e um sentido de humor que fazem pasmar todos: ao pé dela, a gente sente-se bem! Como não tem irmãos compatíveis e tem respondido bem aos tratamentos, os médicos decidiram não agendar para já o transplante na esperança de que a Marta seja dos raríssimos casos de mieloblásticas que se curam sem transplante. Eu acho isto uma benção do céu, não acham?
Perante tanto milagre, tanto mimo de Deus, como não viver em acção de graças?
Como não receber com toda a gratidão os paliativos que Deus nos manda, à Marta e a nós?
Como não louvar a Deus por esta avalanche de orações que amigos e desconhecidos têm feito descer sobre nós?
Nunca achámos que a vida fosse feita sobretudo ou só de coisas boas. Se agradecemos essas, como não agradecer as outras?
Se pedimos a Deus para acabar a vida nos Seus braços divinos, como achar que o nosso caminhar se pode fazer à margem daquilo que é intrinsecamente humano e que inclui dor e sofrimento?
Se sabemos que Deus gosta da Marta e de cada um de nós com um amor indizível e irrepetível, que para ela e cada um tem um projecto de amor perfeito, como não confiar, sem réstia de medo?
Se sabemos que nos entregámos à Providência misericordiosa de Deus, como não viver em absoluta paz?
Se sabemos que a fé é um dom gratuito, como não o receber com toda a humildade?
A felicidade não é a ausência de dor. A morte é a passagem para a verdadeira vida.
Deus criou-nos para sermos felizes: em que é que andamos a perder tempo?
De facto, a única coisa que devemos temer é o mau uso da nossa liberdade porque isso sim afasta-nos da felicidade.
Tudo o mais é a certeza absoluta do carinho e da ternura avassaladora de Deus por cada um de nós. Ser feliz é ter a certeza do amor de Deus por mim. É cantar, como Nossa Senhora, o meu 'Magnificat'.
Como é que eu estou? Estou óptima!


(in
www.oblogdamartinha.blogspot.com)
7 de Fevereiro de 2008

Vaticano apela à solidariedade com os cristãos da Terra Santa

Todos nós que tivemos o enorme privilégio de visitar os Lugares Santos não podemos esquecer dos nossos irmaõs cristãos que durante séculos mantiver o culto dos locais.
Roy


Vaticano apela à solidariedade com os cristãos da Terra Santa

No início do período quaresmal, a Congregação para as Igrejas Orientais renovou o convite aos fiéis a "ajudarem espiritualmente e materialmente a comunidade católica" da Terra Santa.
O apelo está contido numa carta, endereçada aos bispos e aos fiéis católicos do mundo inteiro, assinada pelo prefeito do referido organismo vaticano, Cardeal Leonardo Sandri, que publica também um breve relatório sobre os projectos desenvolvidos no período 2006-2007 com os fundos adquiridos com as colectas em favor da Terra Santa.

Os cristãos são convidados a partilhar o fruto das suas renúncias quaresmais no tradicional peditório em favor dos Lugares Santos. A colecta de Sexta-feira Santa é, aliás, destinada a estas comunidades por explícita vontade dos Papas. A primeira remonta ao Papa Martinho V, que estabeleceu, em 1421, as normas acerca da colecta de ofertas.

Segundo o Cardeal Sandri, “a ausência de uma paz estável aumenta os antigos problemas nos Lugares Santos, agrava a situação de pobreza e gera novos problemas”.

Os cristãos que vivem na Terra Santa "merecem atenção prioritária da Igreja Católica e das outras Igrejas e Comunidades eclesiais", que "sempre precisam do carisma vivo das origens e da singular vocação ecuménica e inter-religiosa da qual são portadores".

Entre as urgências a serem enfrentadas, escreve, “encontra-se sempre o fenómeno imparável da emigração, que corre o risco de privar as comunidades cristãs dos melhores recursos humanos”.

“Nada podemos deixar de tentar, em vista de garantir que, ao lado dos monumentais testemunhos históricos do cristianismo, as comunidades vivas possam sempre celebrar o mistério de Cristo, nossa paz”, refere.

O Cardeal argentino faz votos de que "possa crescer o movimento de caridade" a fim de "garantir à Terra Santa a ajuda necessária para a vida eclesial ordinária e para necessidades particulares".
“Através da comunidade católica", assegura, a caridade "actuará sem distinção religiosa, cultural e política, sobretudo em favor das jovens gerações que poderão também continuar a usufruir da qualificada obra educacional católica".

Com a Carta, o Cardeal Sandri publicou também um documento sobre projectos mantidos nos últimos dois anos pela Custódia da Terra Santa. Tratam-se de obras em favor dos jovens, das famílias, bem como de apoio escolar e, também, de construção de apartamentos para os pobres e para os jovens casais.

(Com Rádio Vaticano)

sábado, 16 de fevereiro de 2008

Belém: Capela de Santa Elena


En el mes de noviembre de 2007 ha concluido, finalmente, la restauración de la capilla de Santa Elena, adyacente al complejo de la Basílica de la Natividad. La capilla, desconocida para la mayor parte de peregrinos y visitantes, está construida en la base del campanario que los arquitectos cruzados adosaron a la fachada de la basílica de la época bizantina que, única entre los edificios de Tierra Santa de esa época, llegó prácticamente indemne hasta el siglo XII.
Lo mismo que las paredes y columnas de la Basílica, que fueron decoradas con mosaicos y pinturas "AD INCAUSTO", también la capilla de Santa Elena fue decorada con frescos, de los que algunas ristras han permanecido hasta nuestros días. En 1948, con ocasión de la restauración del vecino claustro cruzado del monasterio de los Agustinos, que fue convento de los Franciscanos de la Custodia de Tierra Santa, el arquitecto Antonio Barluzzi y el Padre Bellarmino Bagatti, que seguía los trabajos, en calidad de consultor arqueólogo, decidieron restaurar, también, las pinturas de la capilla de Santa Elena. En 1950 se confió la obra al pintor C. Vagarini, que hizo cuanto era posible hacer con la técnica de ese momento para dar vida al ciclo figurativo, muy problemático, que quedaba sobre la pared oriental, menos expuesta a la humedad.
De nuevo, se puede admirar en ese muro la gran escena de la Diesis, con Jesucristo sentado en el trono, bendiciendo con su mano derecha y con el Evangelio en la izquierda en medio, entre la Virgen María y San Juan Bautista. En el intradós del arco, observamos la escena de la “Etimasia” con el trono preparado para el juicio con el Evangelio y dos cruces entre dos santos, de pie. A un lado, en lo alto, se figura a un santo con la mano alzada con gesto de bendecir, seguido, en la pared oriental del intradós septentrional, por la Virgen en un trono con el Niño, entre dos santos. Había otros cinco santos admirablemente pintados en el intradós del arco meridional. Falsos mármoles y ropajes decoraban el zócalo de la pared. Está descrito por el Padre Bagatti en una obra, publicada en Jerusalén en 1952, dedicada a los antiguos edificios sacros de Belén, con eruditas referencias tanto al pintor que decoró las columnas de la Basílica, como al autor de los ciclos de frescos conservados sobre las paredes de la iglesia, contemporánea, de San Germán de Abu Gosh.
Tras cincuenta años de distancia desde aquella intervención hasta nuestros días, las señales volvían a empezar a desvanecerse. El Padre Justo Artaraz, guardián del convento de la Natividad, tomó la decisión de ampliar la capacidad de la capilla para permitir que un grupo numeroso de peregrinos pudiera participar en la Eucaristía en un espacio sacro contigua a la Basílica, cuando los demás espacios están ocupados. Ésta ha sido la ocasión propicia para una segunda restauración de las pinturas y para intervenir arquitectónicamente que, respetando la estructura existente, diese un nuevo aliento litúrgico a la capilla.
La intervención sobre las pinturas ha estado a cargo del Instituto Véneto de los Bienes Culturales dirigido por Renzo Ravagnan. Las pinturas se han repulido a base de una intervención para rebajar o remover el estucado un poco llamativo de la intervención anterior o, en casos extremos, arrancando algún repintado demasiado arbitrario. Una vez consolidado el revoque, se ha pasado al estucado, sobre todo para adecuar los restos de la pintura original con la acoplada el año 1950. Por ello, en la reintegración pictórica, se ha tenido en cuenta tanto la parte original como la precedente restauración, la cual había privilegiado la legibilidad de las figuras, utilizando una tonalidad grisácea. A pesar de las dificultades técnicas, la intervención ha llevado a una lectura clara, desde el punto de vista figurativo, de la pintura, aunque presenta un tono general grisáceo debido a la preponderancia de la integración efectuada por Vagarini.
La restructuración litúrgica de la capilla ha estado dirigida por los arquitectos Luigi Leoni y Chiara Rovati del Centro de Pavía, del que el padre Constantino Ruggeri era el animador. Lastimosamente, el padre Ruggeri no ha podido ver completada esta obra al fallecer en junio de 2007. La intervención no ha afectado a la parte estructural, que había sido puesta en relieve en tiempos anteriores por los arqueólogos.
De las excavaciones arqueológicas y del examen de los muros se concluye que la capilla ubicada en la base del campanario cruzado, fue construida en el período bizantino cercana al nártex de la basílica. Cercanos a la puerta que une la antecámara norte con la capilla, quedan huellas de la franja de tono blanco del mosaico de época bizantina y, sobre la pared meridional de una pieza adyacente, se percibe una puerta bloqueada, sustituida en su tiempo por la que actualmente se usa para entrar en el claustro, que daba directamente al interior de la basílica
Terminada la restauración de los muros y de las pinturas, se ha pasado a la adecuación litúrgica, que ha supuesto la renovación del pavimento con una "balata" antigua que va más a tono con las pinturas murales. El nuevo altar, tallado, lo mismo que las sedes para el celebrante y concelebrantes, de un solo bloque de piedra blanca de Belén, han sido colocados en el centro, cerca del muro sur. Están situados en el eje de los bancos de madera, formando una curva que facilita la participación de los fieles durante la celebración de la Misa. También desde la anticámara es visible el altar.
Son mejoras realizadas en atención a los peregrinos y en espera de condiciones favorables que hagan posible una restauración integral que devuelva a la Basílica de la Natividad su dignidad, hoy un poco deteriorada por negligencia.

Fr. Michele Piccirillo ofm
in http://www.custodia.org/

«E isto muda tudo…»




«Nós vos adoramos e bendizemos, ó Jesus.
Que pela vossa Santa Cruz remistes o mundo».

Assim começamos a Via-Sacra, em plena Via Dolorosa, ajoelhando na calçada diante do lugar onde então se erguia a Fortaleza Antónia onde, diante de Pilatos, Jesus foi condenado à morte. Dali até à Basílica do Santo Sepulcro que guarda em si as últimas estações, percorremos um caminho de passos e memória do que foram os últimos momentos da vida de Cristo, nosso Senhor e nosso Redentor.
O caminho atravessa hoje como então um “souq”, mercado árabe. As tendas deram lugar a lojas que vendem de tudo, as ruas são estreitas e escuras, pejadas de árabes e judeus que se acotovelam numa vozearia feita de gritos de crianças e sons cavos de velhos tendeiros em cantilenas de regateio, tudo envolvido por uma mistura de cheiros a especiarias e cabedais.
Procurando um maior recolhimento preferimos a madrugada, quando o silêncio substitui a confusão do mercado e as ruas estão quase desertas. Ficamos a sós com a memória, lida pausadamente nas passagens dos Evangelhos. Só os nossos passos se ouvem enquanto avançamos, seguindo a cruz.
Por aqui passou Cristo, carregando o madeiro e a humilhação de uma condenação injusta e revoltante…, quem sabe, pisando algumas destas pedras largas e polidas que hoje nos atrevemos a pisar. Esta estranha contemporaneidade, esta ponte com a história, tornam misteriosamente presentes os factos aqui acontecidos há dois mil anos. Se é histórico o facto, é dramaticamente actual a causa da Sua Paixão, porque o nosso pecado permanece a pedir perdão e remissão.
Assim prosseguimos, de Estação em Estação, lembrando outros tantos momentos determinantes daquele caminho: a Condenação; a tomada da Cruz sobre os Seus ombros; os encontros com Sua Mãe, com a Verónica e com as mulheres de Jerusalém; a ajuda forçada de Simão de Cirene e as Suas três “quedas”. A história que lembramos é tão dolorosamente humana que é impossível evitar a comparação com os dramas do nosso tempo sofridos por homens, também eles inocentes, por causa de guerras e genocídios, de fome e miséria. É como se todo o sofrimento do mundo fosse atraído pelo sofrimento de Cristo e a ele se unisse.
Chegados à Décima Estação, estamos à porta da Basílica do Santo Sepulcro, onde contemplamos o “despojamento das Suas vestes”… e entramos. Junto ao Calvário detemo-nos diante da Crucifixão. Eis-nos chegados ao momento mais denso desta caminhada. De olhos fixos na rocha branca onde esteve cravada a Cruz Redentora ouvimos a descrição dos momentos últimos e definitivos: «Tudo está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.»[1]
Descemos até à Pedra da Unção onde o “Senhor foi descido da Cruz” e preparado para ser sepultado. Há dois mil anos era também uma Sexta-feira, como também neste dia, fazia-se tarde e estava próximo o Sábado. A pressa do Sábado confunde-se com a minha de ver acabado aquele caminho da memória. É curta a distância até ao lugar do Sepulcro, a Sua última morada, como é curto o tempo em que do peso da morte passamos à alegria certa da Ressurreição, pois entramos e beijamos a pedra do sepulcro vazio e é como se ali ouvíssemos a mesma frase do mesmo anjo: «Não vos assusteis! Buscais a Jesus de Nazaré, o crucificado? Ressuscitou; não está aqui. Vede o lugar onde o tinham depositado.»[2]
Tenho que reconhecer que a Via-Sacra sempre foi para mim o gesto de piedade cristã mais penoso, mais difícil, a que adiro, ao contrário de outros, por acto de vontade deliberado. Não me é fácil aceitar reviver momentos tão duros e tão injustos. Não me é fácil o sabor a derrota do justo, a humilhação do inocente ou a vitória da mentira, da vingança e da calúnia. Mas foi aqui em Jerusalém, no silêncio dos meus passos que encontrei um sentido novo para este gesto porque descobri como é bom fazer companhia a este meu Jesus nas horas duras e amargas da Sua Paixão.
Afinal, eu também estou implicado no que então aconteceu, também eu estava na origem e na causa do que ali Ele padeceu. Eu estava no seu Coração, eu era um dos que Ele quis resgatar do pecado e redimir da morte. Objectivamente, a minha salvação passou por aquelas ruas… e esta certeza mudou tudo na maneira como agora vivo as vias-sacras que vou fazendo. Passei de espectador a participante, simultaneamente cúmplice e destinatário deste acontecimento… e isto muda tudo… e isto mudou tudo em mim.

Rui Corrêa d’Oliveira
(in Mensageiro, Março 2008)

[1] Jo 19, 30
[2] Mc 16, 6

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Aniversário de um logro

Envio um artigo de Francisco Sarsfield Cabral que apareceu no 'Público' no dia 11-2-2008.
Abraços,
Roy.


Aniversário de um logro
11.02.2008, Francisco Sarsfield Cabral

O Estado passou a promover activamente o aborto até às dez semanas .

Foi há um ano o segundo referendo sobre o aborto em Portugal. O Governo tinha maioria no Parlamento para fazer passar uma nova lei do aborto. Mas, tendo o "não" ganho o referendo de 1998 (com uma abstenção de quase 70 por cento, tornando não vinculativos os resultados), o PS entendeu, e bem, que politicamente não poderia dispensar um novo referendo.Embora a participação não tenha ultrapassado os 50 por cento necessários para tornar vinculativo o referendo, há um ano venceu claramente o "sim". O que deu legitimidade política à mudança na lei. Reconheço-o sem dificuldade, tendo votado "não". As críticas que faço ao que se passou não são uma manifestação de mau perder. Apenas protesto contra o logro a que muita gente foi levada. O grande argumento dos defensores do "sim" era a alegada necessidade de despenalizar a prática do aborto até às dez semanas de gravidez. Isto para evitar prisões (que aliás não existiam) de mulheres e a sua humilhação nos tribunais (que geralmente as absolviam). E também para reduzir o aborto clandestino, com todos os seus riscos.

A pergunta do referendo, idêntica à de 1998, era ambígua: "Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas primeiras dez semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?" Esta formulação abria a porta, não à proclamada despenalização, mas à liberalização do aborto, feito a pedido, sem qualquer condicionante e pago pelos impostos de todos nós.Após o apuramento dos resultados do referendo e festejando a vitória do "sim", o primeiro-ministro teve palavras que pareciam afastar esse risco, prometendo uma regulamentação sensata do aborto, seguindo as melhores práticas europeias. Infelizmente, o que se passou entretanto desmentiu tal ideia e confirmou os piores receios: o Estado passou a promover activamente o aborto até às dez semanas.A lei alemã, por exemplo, prevê um aconselhamento prévio à mulher que pretenda abortar, onde se encoraja a continuação da gravidez. Por cá, tal aconselhamento foi considerado uma intolerável violação da liberdade da mulher (fraca ideia têm do que é liberdade). Esta nem sequer é obrigatoriamente informada sobre o que se passa com o feto, através de ecografias, por exemplo. Mostrar que está ali um ser vivo poderia levar a mulher a não abortar...Os médicos objectores de consciência estão proibidos de participar na consulta prévia e no acompanhamento. E é facultativo o acompanhamento por técnicos do serviço social e psicólogos, que poderiam evitar o aborto encontrando outras soluções para a mulher. O que se pretende é incentivar o aborto, gratuito até às dez semanas, não sendo precisa qualquer justificação: pode ser realizado apenas porque não apetece à mulher ter a maçada de uma gravidez. E o aborto a pedido não paga qualquer taxa moderadora, ao contrário de tantas intervenções médicas indispensáveis à saúde das pessoas. O aborto a pedido beneficia, ainda, do apoio da Segurança Social, idêntico ao do aborto espontâneo (salário na íntegra, sem impostos, entre 14 e 30 dias). Em Novembro afirmou o bastonário da Ordem dos Médicos que "hoje é mais fácil fazer uma IVG no Estado do que obter uma pílula contraceptiva gratuita". Politicamente, é compreensível este empenho governamental na promoção do aborto no Serviço Nacional de Saúde. Criticado à esquerda pelas suas políticas económicas e financeiras "ortodoxas", restam as "questões fracturantes" para o Governo e o PS tentarem demarcar-se da direita. Se o PS ganhar de novo as eleições, provavelmente virão o casamento homossexual, a adopção de crianças por gays e lésbicas, etc. Será bom que, antes da votação, o PS diga claramente o que pretende fazer nestas áreas. É que, para logro, já basta o aborto, em que enganaram os portugueses com uma alegada despenalização, quando afinal veio não só uma liberalização, como uma empenhada promoção do aborto. Mas os esforços governamentais parecem não estar a atingir os seus objectivos: o número de abortos voluntários nos hospitais públicos encontra-se a pouco mais de metade das previsões oficiais. Uma das mais baixas taxas do mundo, um caso excepcional, segundo o coordenador do Programa Nacional de Saúde Reprodutiva (Diário de Notícias, 29.11.07). Ironias da história.

domingo, 10 de fevereiro de 2008

Oração do Papa Pio XII `a N. Sra de Lourdes

Dóceis ao convite de vossa voz maternal, Ó Virgem Imaculada de Lourdes, acorremos a vossos pés junto da humilde gruta onde vos dignastes aparecer para indicar aos que se extraviam, o caminho da oração e da penitência, e para dispensar aos que sofrem, as graças e os prodígios da vossa soberana bondade.

Recebei, Rainha compassiva, os louvores e as súplicas que os povos e as nações oprimidos pela amargura e pela angústia elevam confiantes a vós. Ó resplandecente visão do paraíso, expulsai dos espíritos – pela luz da fé – as trevas do erro. Ó místico rosário com o celeste perfume da esperança, aliviai as almas abatidas. Ó fonte inesgotável de água salutar com as ondas da divina caridade, reanimai os corações áridos.

Fazei que todos nós, que somos vossos filhos por vós confortados em nossas penas, protegidos nos perigos, sustentados nas lutas, nos amemos uns aos outros e sirvamos tão bem ao vosso doce Jesus que mereçamos as alegrias eternas junto ao vosso trono no céu.
Amen.


Oração composta pelo Papa Pio XII

«Eu sou a Imaculada Conceição»


Bernardette saiu para ir à lenha nas margens do rio,
como fazia tantas vezes.
Ao passar junto a uma gruta que ali havia
« viu uma Senhora vestida de branco».
Rezaram juntas o terço… e a Senhora desapareceu.
Faz hoje precisamente 150 anos.

Dias mais tarde a Senhora deu-se a conhecer:
«Eu sou a Imaculada Conceição».
Foram dezoito os seus encontros nos quais pediu
que rezassem o Terço e fizessem penitência.

Aquele lugar tornou-se Santuário,
lugar onde os homens se encontram com Deus
e onde Deus acolhe os que ali acorrem.
Lugar de pedidos e de graças,
lugar de oração e conversão.

Bem no centro da Europa cristã,
tão esquecida das suas raízes
e tão carente de se encontrar e reencontrar com o seu Deus,
Lourdes permanece viva e actual
à nossa espera… à minha espera.

sábado, 9 de fevereiro de 2008

A Tentação

Depois do Seu Baptismo no Rio Jordão, um baptismo de penitência...
Foi sujeito também à tentação no Deserto...

Mas resistiu aos bens materiais, ao poder e honraria, e optou pelo projecto do Pai: a salvação da humanidade, através do Seu Plano de Felicidade. LA
Posted by Picasa

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Conversão de coração

A Quaresma é o tempo ideal para uma verdadeira conversão de coração, porque só um coração convertido, amolecido, ternurento e meigo é que irradia amor para todos os que estão ao nosso lado, promovendo sempre a concórdia e a paz em vez da discórdia e da guerra. O trabalho a desenvolver é interior, bem dentro de nós. É este o desafio. LA
Posted by Picasa